segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Chico de Sinésio, o fundador da caldeira do inferno - Fátima Teles

Projeto Brejo Santo : Nosso chão, nosso povo!

Por Fátima Teles
Professora Formadora da Área de Humanas do Ensino Fundamental II da Secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo, Pedagoga, Historiadora, Assistente Social, Especialista em Direitos Humanos e Psicopedagogia Institucional, Escritora , Poeta e membro da Academia de Letras do Brasil, Secção Ceará.


                                   
                                         Chico de Sinésio, o fundador da caldeira do inferno.



Francisco Gomes Feijó ( Chico de Sinésio), natural de Brejo Santo-Ceará, filho do casal Sinésio Gomes e Erundina Feijó de Medeiros,nasceu no dia vinte de fevereiro de mil novecentos e quarenta e dois, completando neste ano de dois mil e dezenove setenta e sete anos bem vividos.

trabalhou com o senhor José Alves ( Zé Alves) na loja de tecidos e com o senhor José Matias ( Dedé Matias) no comércio de miudezas.

em mil novecentos e cinquenta e dois o senhor César Siqueira comprou o comércio do senhor Dedé Matias que funcionava no prédio onde está localizada a casa São José do senhor comerciante Carlos Martins ( In memoriam). Lá ele trabalhou até o ano de mil novecentos e sessenta, oito anos ininterruptos de trabalho. No ano de mil novecentos e sessenta ainda trabalhou por três meses na Cidade de Juazeiro do Norte com o comerciante Dedé Matias.

De mil novecentos e sessenta a mil novecentos e sessenta e um foi sócio com o seu pai na bodega até mil novecentos e setenta. O nome do ponto comercial era Ponto chique e o professor José Teles de Carvalho dizia que era "CHIQUE É QUÉ".

O ponto só vendia cachaça, cereais e meladinha.

Em mil novecentos e setenta ele abriu a Caldeira do Inferno.

O Professor José Teles de Carvalho foi o primeiro Presidente do recinto e foi o primeiro Presidente também do Ponto Chique, do mesmo proprietário.
Com a morte do professor José Teles, o senhor Mário Leite assumiu a cadeira de presidente da caldeira, até sua morte.
Hoje o terceiro Presidente da Caldeira é o Dentista senhor José Eudes Tavares Leite ( Zé Eudes) e o Vice presidente é o senhor Artur Napoleão de Araújo Teles, Diretor do Colégio Padre Viana ( Neto do professor José Teles).

O senhor Chico de Sinésio casou-se com Francisca Teles Feijó ( Tica), no dia trinta e um de dezembro de mil novecentos e sessenta e três na igreja Matriz às 21:00.
sua esposa, dona Tica , é sobrinha do professor José Teles de Carvalho.

do casamento vieram os filhos:

Francisco Gilberto Teles Feijó
Maria das Graças Teles Feijó
Pedro George Teles Feijó
Sinésio Gomes Neto

O senhor Chico de Sinésio  foi um grande carnavalesco, foi fundador de escola de samba junto com outros amigos e era fiel acompanhante do Bloco o Cabeção.

A Caldeira do Inferno já tem cinquenta e oito anos de funcionamento contando com o tempo de bar ( Ponto chique).
a Caldeira é um ponto muito frequentado pela classe média de Brejo Santo. O lugar é conhecido pela cerveja mais gelada da Cidade e o repertório musical. Lá ele deixa tocar música popular brasileira, forró pé de serra , samba e até rock nacional. Os sábados são verdadeiros encontros de amigos de todas as idades.
na Semana do Município, nas festividades alusivas ao aniversário da Cidade, o sábado é mais alegre e no dia do desfile do Município é muito comum após o desfile os munícipes comemorarem nas mesas do calçadão onde se localiza o bar. O Colégio Padre Viana costuma reunir o grupo da Fanfarra José Teles para beberem em horas descontraídas depois da passagem do desfile.
No final do ano quando os filhos de Brejo Santo voltam ao torrão para festejarem as festas natalinas, a Caldeira é ponto certo de passagem para saborear a cerveja gelada. E no Carnaval, já nas prévias como sábado magro e sábado gordo pela manhã além das marchinhas oferecidas pelo próprio bar, a banda de música municipal sempre faz parada no ambiente para alegrar os foliões da terra.
As paredes do bar tem fotos de muitas gerações de amigos, políticos,etc.

Nas décadas passadas o bar era frequentado exclusivamente por homens,mas neste Século essa cultura vem sendo quebrada. Mulheres já se sentam nas cadeiras do bar e tomam sua cerveja sem problema.

Falar sobre Chico de Sinésio é falar também sobre a caldeira. Um e outro estão interligados pelos laços culturais da Cidade.

Pela Caldeira já passaram atores e cantores famosos como Antônio Marcos, Nelson Gonçalves, Fagner, Falcão, Valdik Soriano ,entre outros.

No ano de 2012 a Jornalista Giovana Teles veio passar uns dias em Brejo Santo e foi até o bar e lá sentou-se no balcão como o seu avô costumava fazer ( Giovana é neta do professor José Teles).

Fonte ; entrevista com o senhor Chico de Sinésio num sábado ensolarado de outubro de 2018.



                                                               A Caldeira do Inferno
                                                                    Chico de Sinésio
 Fátima Teles ( Neta do professor José Teles) sentada na Cadeira do Presidente da Caldeira, o Professor José Teles, Chico de Sinésio e José Newton Né
 Fátima Teles e Giovana Teles ( sentadas no balcão como fazia o avô, professor José Teles )
 Francisco Bezerra, Wilton Celião, José Newton Lucena, Sônia Feijó, José Newton Né, José Tiri, Chico de Sinésio


                    Fátima Teles, José Sávio ( In Memoriam), Giovana Teles, José Newton Né

Noite do livro Alumbramento de Fátima Teles com a presença de Chico de Sinésio e sua esposa Tica

                           Chico de Sinésio, com sua filha Gracinha Feijó e sua esposa Tica

família reunida para a ordenação de seu filho Gilberto Teles Feijó,como Diácono.
À esquerda o seu filho Sinésio Neto, Pedro George Teles Feijó, Chico logo atrás, sua esposa Tica, o filho Gilberto que tornou-se Diácono ,ao meio, Gracinha Feijó, Quinha Gomes ( prima) Sissi Nogueira (Prima) e Elainy Carvalho ( Cunhada do Diácono Gilberto).
Professor José teles, Tancredo Teles ( seu neto) e Nezinho du Breu na Caldeira do Inferno

Lançamento do livro Alumbramento de Fátima Teles com a presença de Chico de Sinésio e sua esposa Tica

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

MIssa do Beato José Loureço e entrega de Certificados aos que contribuem com a Cultura Caririense- Fátima Teles

Dia Doze de fevereiro de 2019 foi realizada na Igreja do Socorro em Juazeiro do Norte-Ce, a missa dos setenta e três anos de vida eterna do beato José Lourenço.

na ocasião foram entregues os Certificados concedidos pela ONG beato José Lourenço, de Pedro Andrade, às pessoas que contribuíram ou contribuem com a divulgação e  e preservação da Cultura e memória da região do Cariri.

 fui agraciada com um certificado pelos artigos de pesquisa que apresentei sobre a vida do beato José Lourenço e a Comunidade O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto.

Na missa também lancei o  meu terceiro Cordel O beato José Lourenço e o massacre do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto.