segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Os Presépios Tradicionais de Noêmia Araújo e Dona Santa em Brejo Santo-Ce- Fátima Teles

                          Projeto Brejo Santo: Nosso chão, nosso povo!

                   Os Presépios tradicionais de Noêmia Araújo e Dona Santa

Por Fátima Teles, Professora Formadora da Área de Humanas da Secretaria Municipal de Educação, Assistente Social, Escritora e Poeta.



O Presépio de Noêmia Medeiros de Araújo já tem 65 anos de existência . Desde 1952 que as irmãs Ananias Medeiros de Araújo e Noêmia Medeiros de Araújo montam-no com esmero .

                                                        Este é o Presépio de 2017

Noêmia Medeiros de Araújo nasceu no Sítio Timbaúba, em Brejo Santo-Ce, no dia dia 09 de fevereiro de 1931. Seus pais decidiram vir morar na Cidade quando os filhos já estavam na idade de irem à escola.

No final da Década de 40 do século XX a família foi embora para o estado do Paraná,mas no inicio da Década de 50 vieram para Brejo santo e aqui ficaram até os seus últimos dias.

Em 1952 sua irmã Ananias trouxe um pequeno presépio do Paraná e a partir dai iniciou a montagem do seu  em sua Residência todos os anos. Era muito comum as pessoas irem visitar o presépio para reverenciarem o menino Jesus, aniversariante posto na manjedoura.

Lembro que na minha infância nos idos da Década de 70 eu ficava feliz com a chegada do mçes de Dezembro,pois ia ver o Presépio que Noêmia fazia. Era interessante a forma como ela decorava as pedras feitas de papel. Parecia a nascença. era tão bonito.
Esse ano quando eu fui visitá-lo depois de alguns anos sem vê-lo, fiquei impressionada com a dedicação que ela continua a dar ao presépio. Ele agora está ainda mais bonito. Com o aparato da iluminação trazida pela tecnologia .

Noêmia estudou até as primeiras séries dos anos iniciais. É muito inteligente !
Filha e irmã dedicada, mulher digna e honesta. Dedicou-se a cuida e ainda cuida bem dos seus com muito amor.

Filha de:
Manoel Inácio de Medeiros
Antônia Medeiros de Araújo

a família é grande. são onze irmãos :

Jocelino Medeiros de Araújo
Maria Gomes de Medeiros ( Mariquinha)
Ananias Medeiros de Araújo
Francisco Medeiros de Araújo
Expedito Medeiros de Araújo
Maria Carmelita Medeiros de Araújo
Maria Angelita Medeiros de Araújo
Maria Medeiros de Araújo ( Dona)
Maria Medeiros de Araújo (Santa)
Noêmia Medeiros de Araújo
Jacinto Medeiros de Araújo


                                                                Presépio de 2017

                                                                Presépio de 2017



Antes de Ananias e Noêmia montarem Presépio, havia o Presépio feito por Dona Santa , irmã do Padre Pedro Inácio Ribeiro.Ela morava com o seu irmão , Padre Pedro, em sua casa e cuidava dele.

O Presépio era montado na casa do Padre Pedro que morava de fronte à Igreja Matriz. além das imagens , dona Santa convidava algumas moças para serem personagens juntas ao presépio e se apresentarem na véspera do Natal com músicas.

Noêmia e suas três irmãs foram personagens do presépio de dona Santa

Noêmia - Pastorinha
Dona - Beija-Flor
Angelita - Cigana
Santa - Anjo - Gabriel


Entrevista com Noêmia de Medeiros de Araújo

Duas Poesias de Cordel do Poeta e Amigo Paulo Gondim- Fátima Teles

Paulo Gondim é de Brejo Santo e mora em São Paulo . ele fala sobre a vida no sertão de uma forma muito realista e poética.
boa leitura!!


A segunda poesia fala sobre a dura vida no sertão quando morriam as pessoas menos favorecidas.



O ENTERRO
O sino tocava, dolente
Em repiques pausados
Num murmúrio sombrio
De sons desolados
Era sempre assim
Quando alguém morria
O triste badalar do sino
Encerrava mais uma porfia
E o cortejo vinha, silente, surdo
As pessoas nas portas, caladas
Umas benziam-se, outras rezavam
Na triste rotina, quase acostumadas.
Morreu mais um, apenas mais um
De tantos que ainda morrerão
De poucos sonhos, poucas esperanças
Como é comum neste meu sertão.
Morreu mais um, abalado na fé
Descrente da luta, em busca do pão
Um pão tão escasso, seco, miúdo
Que lhe faltou em vida
E na cova rasa, espremida
Terá, enfim, seu pedaço de chão
E a procissão segue... agora mais cheia
Os passos mais lentos, os rostos sombrios
Seguindo calados, os repiques pausados
Do sino pequeno, que a todos informa
Que mais um “se foi” e deixou de sofrer
Porque nesta terra pouco importa morrer
E o enterro prossegue, ingressa na igreja
Que o batizou, mas não o libertou
Porém lhe ensinou que a terra tem dono
E no seu abandono o céu será seu
Ora, o céu... Pra que serve o céu?
Pra quem só nasceu, apenas sofreu,
Não viveu?
E o sino badala, em repiques doídos
Tão tristes, sombrios de doer nos ouvidos
Num chorar solitário, por um desvalido
Que na cova encontra a única morada
Lá, a fome não vem lhe bater a porta
A seca não vem lhe botar para fora
E o sino parou seus repiques pausados
É o fim do cortejo, e todos cansados
Se vão, um a um, num viver calejado
Pensando na vida, essa vida bandida
De luta renhida a procura do pão
É assim o meu povo, é assim no sertão.
E a procissão segue... agora mais cheia
Os passos mais lentos, os rostos sombrios
Seguindo calados, os repiques pausados
Do sino pequeno, que a todos informa
Que mais um “se foi” e deixou de sofrer
Porque nesta terra pouco importa morrer
E o enterro prossegue, ingressa na igreja
Que o batizou, mas não o libertou
Porém lhe ensinou que a terra tem dono
E no seu abandono o céu será seu
Ora, o céu... Pra que serve o céu?
Pra quem só nasceu, apenas sofreu,
Não viveu?
E o sino badala, em repiques doídos
Tão tristes, sombrios de doer nos ouvidos
Num chorar solitário, por um desvalido
Que na cova encontra a única morada
Lá, a fome não vem lhe bater a porta
A seca não vem lhe botar para fora
E o sino parou seus repiques pausados
É o fim do cortejo, e todos cansados
Se vão, um a um, num viver calejado
Pensando na vida, essa vida bandida
De luta renhida a procura do pão
É assim o meu povo, é assim no sertão.
(Paulo Gondim)




Meu Canal no you tube - Fátima Teles

Acompanhem o meu canal no You Tube e sigam.
um abraço!!!

Conto de natal- Psicografia de Chico Xavier

Conto de natal
francisca Clotildes e Psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira

esse conto traz a história triste de Mariazinha e a importância da caridade

A hora de dezembro - Fátima Teles

Poesia: a Hora de Dezembro

Sexta-feira com poesia- poema natalino - Fátima Teles

Sexta-Feira com poesia
Poema natalino!
Feliz natal para todos e todas e que Jesus seja o nosso mestre e guia.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Os Sapateiros de Brejo Santo-CE - Fátima Teles



Projeto Brejo Santo: Nosso chão, nosso povo!

Os sapateiros de Brejo Santo-CE

Por Fátima Teles- professora Formadora da área de humanas da secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo-CE, Assistente Social Escritora e Poeta.

                A profissão de sapateiro é muito antiga em Brejo Santo, remonta da terceira década do Século XX.
Aqui já trabalharam seis Sapateiros no Município. Homens simples, dignos e honestos.Foram entrevistados os familiares de quatro. Os outros dois, Pedro galalau e Zé Galego, não foi encontrado parentes para trazerem as lembranças dos mesmos. Os quatro seguem em sequência:

Senhor Genésio Ferreira dos Santos



Genésio Ferreira dos Santos, filho de João Ferreira de Sousa e Gertrudes Francisca de Oliveira. Nasceu no dia 15/06/1914 na cidade de Serra Talhada-PE. Possuía seis irmãos cujos nomes eram: (Artur Ferreira dos Santos, Sebastião Ferreira dos Santos, Salviano Ferreira dos Santos, Otávio Ferreira dos Santos, Amirindia Ferreira dos Santos e Selestina Ferreira dos Santos).

Aprendeu a profissão de sapateiro em sua cidade natal e veio em 1937 com 23 anos de idade morar em Brejo Santo-CE. Chegando aqui, conheceu Maria Simplício do Nascimento, com a qual casou no ano de 1939 e formou a sua família, tendo seis filhos (Maria Deide Santos, Maria Eunice Ferreira, José Jussier Santos, Francisco Lucier Santos, Maria Leni Santos, Rita Maria dos santos).

Sua primeira moradia logo após seu casamento foi na rua Coronel Ferraz (Rua Velha). Além de realizar consertos de calçados, ele também confeccionava sapatos, botas, sandálias e alpargatas, todas em couro. Um trabalho que exigia uma grande técnica e habilidade. Em 1955 trabalhou na confecção de calçados na sapataria dos irmãos Basílio (Pedro e João) localizada no prédio onde atualmente é a sapataria popular. Com o passar do tempo, a procura de calçados diminuiu por causa de um período de seca que afetou a economia local. Tendo que buscar o sustento da sua família, viajou em 1957 para a cidade de Euclides da Cunha-BA. Trabalhou por dois anos na Sapataria Costa, localizada naquela cidade, lugar onde fez grandes amigos de profissão. Retornou a Brejo Santo no ano de 1959 e foi morar em uma nova residência na Rua João Lucena 630, local onde morou por mais de 40 anos. Senhor de voz mansa e temperamento pacato era muito procurado para realizar seus serviços. Seu Genésio como era conhecido, manteve suas atividades de sapateiro até o ano de 2005 com 91 anos exerceu a sua profissão por quase 70 anos e veio a falecer em sua residência por causas naturais no dia 02/11/2008 com 94 anos de idade.





                               Senhor Genésio com o seu neto Givanildo que foi educado por ele.



                          Senhor Genésio com o seu neto Givanildo que foi educado por ele.

                                O senhor Genésio na Sapataria Costa no Estado da Bahia

                                                 Ferramentas utilizadas pelo senhor Genésio

Entrevista realizada com seu neto Givanildo Roberto Santos ( Fisioterapeuta)




                                                        Senhor José Rosa dos Santos






O senhor José Rosa nasceu em Brejo Santo-CE, no dia 18 -03-1927. Desde muito cedo trabalhou. Em 1945 foi para São Paulo trabalhar e em 1947 voltou trabalhando no ofício de Sapateiro, que exerceu durante longos anos. O senhor José Rosa também assumiu a profissão de porteiro da Escola Padre Pedro (Hoje Escola Municipal de Ensino Fundamental). Aposentou-se nessa profissão e faleceu aos 74 anos no dia 21 -04-1998.

Era filho de Manoel Rosa dos Santos e Josefa Maria da Conceição

Foi casado com a senhora Raimunda Gomes dos Santos 

Filhos do casal:
Francisco Hélio dos Santos
José Rosa Filho
Manoel Gomes dos Santos
Dalva Gomes dos Santos
Claudiney Rosa dos Santos
Maria Dioneide dos Santos
Cícera Gomes dos Santos

                                            Ferramenta utilizada pelo senhor José Rosa



Sua filha Dalva contou na entrevista emocionada a origem de seu nome. O seu amigo e também sapateiro “Toinho”, disse que ela tinha cara de Dalva, até porque Dalva de oliveira, a cantora, teria embalado o namoro do senhor José Rosa com sua esposa, a senhora dona Raimunda.

Entrevista realizada com sua filha Dalva Gomes





O Senhor Antônio Inácio de Moura (Toinho Sapateiro)

                                                                   "Toinho Sapateiro"




                                                          "Toinho" e sua esposa "Dedê"


Nasceu em Brejo Santo-CE, no dia 14-02-1931. Foi Ajudante do senhor Manoel Matias (Comerciante do ramo de Sapataria). Logo que aprendeu o ofício, tornou-se Sapateiro, trabalhando para si próprio. Trabalhou até o ano de 1989. Faleceu em Abril de 2017 aos 86 anos.

“Toinho” confeccionava, produzia e consertava sapatos e sandálias.

Era filho de: Antônio Inácio Gomes de farias e de Maria Gomes de Farias. 

Foi casado com a senhora Teresa Alves de Moura.

Seus filhos:
José Alves de Moura Neto
Maria Rita de Moura
Maria de Lourdes Alves de Moura
Maria do Socorro Alves de Moura
Maria de Fátima Alves de Moura
Francisca Inácio de Moura
Francisco Alves de Moura
Pedro Alves de Moura
Maria do Carmo Alves de Moura

“ Toinho” foi casado com minha prima “Dedê”. Na minha infância eu levava sapatos e sandálias para ele consertar e assim que eu chegava e lhe cumprimentava, ele falava: DIGA,GENTE!

Entrevista com seus filhos: Rita, Francisco, Francisca e Lourdes.




                            O Senhor José Pedro da Silva (Zé Pedro sapateiro)




                                        
O senhor José Pedro nasceu no Sítio Baixio do boi em Brejo Santo-CE, no dia 10-01-1943.

Estudou até a 5ª Série. Trabalhou como ajudante de Sapataria no Comércio do senhor Nezinho Feijó, depois no Comércio do senhor Francisco Pinheiro (Chico de Ioiô) e ainda no Comércio do senhor João Basílio e Nane Basílio, sua irmã. Todos esses Comerciantes trabalhavam no ramo de sapataria.
Certa feita o senhor Zé Pedro foi tocar no estado do Pernambuco, o que lhe rendeu um dinheiro a mais que deu para ele colocar o seu negócio próprio. Ele montou a sua própria Sapataria. Na sapataria São José ele consertava, confeccionava, produzia e vendia para a população, Sapatos e Sandálias de couro. Trabalhou por quase 60 anos e estava na ativa quando adoeceu.

Foi também músico da Banda de Música Municipal e chegou a ser maestro.

                                 Sua Esposa , dona Raimunda e seu Bisneto


Ele e sua esposa, dona Raimunda chegaram a fazer 53 nos de casados.


Era filho de: Sebastião Pedro da Silva e de Cosma Josina da Conceição.

Foi casado com a senhora Raimunda Maria da Silva



Seus filhos: Maria Aurileide da Silva
                           Maria Aucicleide da Silva
                             José Aurimar da Silva
                             Maria Auriluce da Silva Cortez
                             Maria do Socorro Micena da Silva
                             Pedro Sebastião Sobrinho
                             Francisco Jerlani da Silva


                                       Seu último trabalho antes de ser levado ao Hospital.

                                                  Seu neto Glebson foi seu ajudante











 Sua esposa dona Raimunda ao lado de seu filho Jerry que hoje está dando continuidade ao trabalho de seu pai.




                                        O banquinho onde o senhor Zé pedro trabalhava




 Entrevista com dona Raimunda, sua esposa e seu filho Jerry.



                                                              Manoel Furtado Macedo



O senhor Manoel Furtado Macedo, também conhecido por Nezinho Macedo nasceu em Brejo Santo-Ce .
filho de :
João Gonçalves Macedo
Maria Furtado Macedo (Senhora)

foi  ajudante do senhor Manoel Feijó , trabalhando em sua sapataria e foi ajudante também do senhor Francisco Pinheiro( Chico de Ioiô), trabalhando em sua sapataria. Foi colega de trabalho do senhor Zé Pedro.
O senhor Nezinho produzia, confeccionava e consertava sapatos e sandálias.
 Trabalhou como sapateiro até se aposentar.Era conhecido pelo excelente trabalho que era fazia confeccionando baús.
faleceu em 2001 aos 82 anos.
Foi casado com a senhora Josefa Teles de Carvalho e com ela teve muitos filhos . Alguns  não sobreviveram, falecendo ainda na infância. Quatro filhos ficaram vivos :
José Teles Macedo
Francisca Teles Macedo
Maria do Socorro Teles Macedo
Francisco Teles Macedo


                               O senhor Nezinho com o seu neto Jonas ( In memoriam)
                                            Um baú confeccionado pelo senhor Nezinho

Entrevista com sua filha, Francisca Teles Feijó ( Tica)